I Workshop da Saúde Indígena.

Neste primeiro Workshop da Saúde Indígena, foram realizadas apresentações das equipes e dos setores e cada função realizada pelos profissionais.

O Dr. Marcos Schaper compartilha um pouco sobre o início do seu trabalho com os povos Indígenas e como foi sua chegada ao Saúde Indígena.

Vanessa inicia os preparativos de chamada para todos participarem de um momento de descontração onde os participantes deveriam definir uma palavra-chave sobre as deficiências e dificuldades que os colaboradores enfrentam no dia a dia, com o intuito de realizar um levantamento de como a equipe Saúde Indígena pode melhorar diante dos pontos levantados.

Rute apresenta o funcionamento interno da coordenação de como estão divididos cada área e suas formas hierárquicas de interagir, além de ressaltar as principais dificuldades encontradas.

Marcos responsável pela coordenação administrativa conta um pouco sobre as atribuições do seu setor, além das funções que são desempenhadas por sua equipe dentro do Saúde Indígena.

Gerson fala sobre o setor do processo seletivo, sobre as etapas que são realizadas e também sobre as dificuldades encontradas tanto em contratações fora do Estado de São Paulo e relação de procedimento internos.

Dr Sesmet informa sobre a importância da NR32

Equipe PJAI Awaé e Tuka descrevem os processos de admissão dos Jovens aprendizes.

Leandro fala um pouco sobre a experiência agregada com o tempo de trabalho a favor da causa Indígena e também sobre a importância do Indígena ocupando espaços de trabalho dentro da Saúde Indígena.

E com muito orgulho que apresentamos o primeiro Workshop SPDM / Saúde Indígena. Neste evento contaremos com a participação de uma parte da equipe que integra a SPDM/ Saúde Indígena, no qual serão apresentados o plano de trabalho no contexto interno SPDM e contexto externo SESAI, além da perspectiva de desenvolvimento da Saúde Indígena. Guarde está data e venha você também participar.

Após inauguração da Biblioteca PJAI “Despertar da Leitura”, suas prateleiras vêm recebendo diversos livros literários, doados pelos funcionários da SPDM/Saúde Indígena e parceiros que apóiam o projeto de incentivo à leitura de jovens aprendizes indígenas e colaboradores do âmbito corporativo.

No dia 16/08/2019, os representantes do PJAI realizaram uma visita na residência do escritor Carlos Eugênio Marcondes de Moura,com o intuito de receber uma doação de livros. O escritor contou sobre os livros doados e sua carreira no mundo literário.
Os representantes PJAI aproveitaram o momento para comentar sobre sua obra “Estou aqui. Sempre estive. Sempre estarei”, material utilizado como referência na construção do Módulo de “Elaboração de Projeto Social”, da plataforma de ensino online PJAI.

Contamos, também, com a visita do filósofo e historiador Professor Benedito A. J. Prezia, autor do livro “Povos Indígenas – terra, culturas e lutas” e da Professora de fotojornalismo Rosa Gauditano, ambos da PUC,quando recebemos doação de variados livros.

No dia 29/08/2019, representantes e aprendizes PJAI foram convidados para o lançamento dos sete livros, da coleção que leva o nome da antropóloga Carmen Junqueira, Professora Emérita da Pontifícia Universidade Católica (PUC), publicados pela Universidade Federal do Amazonas.

Nesse dia, tivemos a oportunidade de conhecer pessoas, fazer novas parcerias, além de receber livros autografados para a Biblioteca Despertar da Leitura.

No dia 21 de outubro de 2019 às 14 horas na rua Botucatu, nº 862, nas dependências do anfiteatro Marcos Lindenberg, ocorrerá a cerimônia de lançamento da REDE de Promoção dos Direitos dos Povos Indígenas e Quilombolas. Projeto esse que nasce de uma iniciativa entre Ministério Público do Trabalho, Universidade Federal de São Paulo e Universidade Federal do ABC em parceria com grupos indígenas e quilombolas. Vale destacar o Coletivo dos Povos Indígenas de Guarulhos, da SPDM-Saúde Indígena, o Conselho Municipal Indígena.

Somam-se a essas parcerias a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social, a Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania através da Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo (ITESP) e Coordenação da População Negra e Indígena (CPPNI), entres outras organizações da sociedade civil.

A REDE de Promoção dos Direitos dos Povos Indígenas e Quilombolas tem como finalidade zelar pelo cumprimento do programa interinstitucional e interdisciplinar focado na educação indígena e quilombola a partir do Programa da Bolsa Permanência (PBP) do governo federal. Ademais, trabalha para que essas populações tenham acesso ao ensino universitário transformador e de qualidade num ambiente acolhedor que valoriza e respeita suas especificidades étnico-culturais, fomentado suas aspirações e perspectivas educacionais e trabalhistas. Por ocasião do lançamento da REDE teremos uma mesa de debate intitulada O FUTURO: A INCLUSÃO DA POPULAÇÃO NEGRA, INDÍGENA E QUILOMBOLA NA UNIVERSIDADE com a presença de Dra Valdirene Assis (MPT), Kuiaiú Yawalapiti, enfermeira, indígena do povo Yawalapiti do Alto Xingu, Mato Grosso, Professor Dr Anderson Rosa (Unifesp), Professor Dr. Acácio Almeida (UFABC) entre outros convidados.

O Projeto Jovem Aprendiz Indígena (PJAI) inaugurou sua biblioteca Despertar da Leitura no dia 12 de julho de 2019 na Sede da Saúde Indígena, localizada na Rua Estado de Israel, 345 – Vila Clementino São Paulo – SP e contou com uma apresentação do aprendiz Jefferson do grupo de hip hop OZ Guarani que “veio para somar” como dizia sua musica.

O objetivo PJAI é de estimular o hábito e o prazer da leitura entre os jovens aprendizes indígenas, não indígenas, e todos os funcionários que fazem parte da empresa.

Os livros doados foram selecionados, fichados por ordem Romance, Poesia, livros técnicos, histórias contos indígenas... Os livros mais procurados para leitura terão prazo estipulado de 15 dias para a devolução, podendo ser renovados, sendo que alguns livros ficarão disponíveis para doação.

A proposta é de trabalharmos de forma dinâmica com informações sobre alguns autores, apoiar sarau e grupos de leitura. Para que isso acontecesse foram realizadas várias oficinas com os jovens baseadas nos quatro pilares da educação: aprender a conhecer aprender a fazer, aprender a viver com os outros e aprender a ser, itens fundamentais para a transmissão da informação e da comunicação.